Buscar
  • Dra. Cláudia Klein

Cognição na esquizofrenia

A esquizofrenia, ou distúrbio biológico do cérebro da mente dividida, é o desenvolvimento de surtos em que o mundo real é substituído por delírios e alucinações auditivas, crenças delirantes, dificuldade de se relacionar socialmente e, por vezes, inteligência fora do comum.


O transtorno afeta 2 milhões de brasileiros e a falta de conhecimento sobre ele só reforça os estigmas. 1% da população no planeta tem esquizofrenia, sendo uma média de 1 a cada 100 adultos e 1 a cada 50 000 crianças. Normalmente, os sintomas começam na juventude e se mantém por toda a vida, podendo variar de pessoa para pessoa, portanto a consulta com um profissional é primordial em todos os casos.


Principais alterações cognitivas na esquizofrenia


Destacam-se algumas alterações cognitivas mais comuns, como na velocidade do processamento em tarefas simples; na atenção e vigilância; no aprendizado verbal e visual; na memorização de informações imediatas; e em um reconhecimento deficitário para memórias a longo prazo, além de mudanças na habilidade de raciocínio em situações novas, e na capacidade de perceber e compreender as regras sociais.


Sintomas


Mais visíveis


● Alucinações: as mais comuns são as auditivas e visuais. As menos comuns, táteis e olfativas;

● Delírios: existem diversos tipos, como persecutórios, de grandeza, de ciúmes, somáticos, místicos, fantásticos;

● Perturbações da forma e do curso do pensamento, como incoerência, prolixidade, desagregação;

● Comportamento desorganizado e confuso;

● Agitação psicomotora;

● Negligência nos cuidados pessoais.


Menos visíveis


● Falta de repertório no pensamento e na fala;

● Embotamento ou rigidez afetiva;

● Prejuízo no pragmatismo;

● Incapacidade de sentir emoções e prazer;

● Isolamento social;

● Diminuição de iniciativa e vontade.


Como a pessoa com esquizofrenia vê o mundo


O transtorno esquizofrênico envolve alucinações e mundos imaginários. As alucinações são percepções distorcidas e que muitas vezes não tem relação direta com a realidade; logo, a pessoa ouve vozes e/ou vê seres que não existem. Isso ocorre com frequência e ela acredita profundamente nisso. Já os delírios são crenças que não condizem com a realidade, como acreditar que se é vigiado por extraterrestres ou que a polícia o está perseguindo, por exemplo.


Um dos tipos de delírios mais comuns é a paranoia, uma crença de que está sendo perseguido. Podem ouvir vozes e ter alterações no pensamento, e dificilmente são convencidos de que são crenças irreais. Muitas vezes, ainda acreditam que a própria família está tramando contra eles, o que pode gerar sérios conflitos nas relações familiares, além de sentimento de culpa. É bastante comum o esquizofrênico se voltar contra pessoas próximas.


Impactos no cérebro - neurologia


As alterações neurológicas da esquizofrenia têm elevada prevalência, são contínuas e apresentam muita gravidade. Os principais impactos são:

● Diminuição do volume total do córtice;

● Ampliação de ventrículos laterais e terceiros;

● Encolhimento do lóbulo temporal que inclui o hipocampo;

● Queda do volume talâmico;

● Enfraquecimento da matéria cinzenta do cérebro;

● Ampliação dos gânglios básicos, quando em uso de drogas antipsicóticas


Se você acredita apresentar os principais sintomas ou conhece alguém que os manifesta, procure um médico.


Fontes:

https://www.scielo.br/j/rprs/a/PJMk67BWDqwwyBtWLhpcYrd/?lang=pt

https://www.scielo.br/j/rprs/a/PJMk67BWDqwwyBtWLhpcYrd/?lang=pt

file:///C:/Users/Usuario/Downloads/17100-Article%20Text-20535-1-10-20120522.pdf

https://saude.abril.com.br/mente-saudavel/o-que-e-esquizofrenia-sintomas-diagnostico-e-tratamento/

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Hormônios naturais para a menopausa

A restauração hormonal natural usada para o alívio dos sintomas da menopausa está cada vez mais comum; pode ajudar a prevenir manifestações de sintomas muito incômodos e que atrapalham o dia a dia das

Os benefícios do banho frio

Para muita gente, o banho frio pode ser um sofrimento! Mas outras várias pessoas se acostumaram com a temperatura mais baixa da água e chegam a achar até prazeroso... independentemente do (des)confort