Buscar
  • Dra. Cláudia Klein

Metformina sua importância na promoção da longevidade


A metformina é recomendada para o tratamento de diabetes, principalmente tipo 2, mas também pode ser usado para diabetes tipo 1, pressão sanguínea alta, síndrome dos ovários policísticos e em alguns casos de obesidade e câncer, sendo sempre necessáriaindicação médica. Com a sua evolução, tem sido bem conhecida por prolongar a longevidade saudável!

Como age nas diabetes?

Ela permite que os portadores de diabetes melhorem seu controle da quantidade de açúcar liberado pelo fígado no sangue e a sensibilidade à insulina. A diabetes tipo 1 é causada por uma deficiência na produção de insulina pelo pâncreas e a diabetes tipo 2 ocorre porque a insulina produzida funciona mal. Por isso, a diabetes tipo 2 é mais comum de não ser tratada com insulina, mas com antidiabéticos ou hipoglicemiantes orais.

A metformina ajuda no controle glicêmico da diabetes tipo 2 através de quatro mecanismos:

• Reduz a produção de glicose pelo fígado;

• Aumenta a sensibilidade dos tecidos, principalmente dos músculos, à insulina.

• Otimiza a ação da insulina já produzida;

• Reduz a absorção de glicose pelo trato gastrointestinal.

A sua importância para longevidade

Cientistas testaram doses diferentes de metformina em camundongos de meia-idade e descobriram que pequenas doses da substância aumentavam a expectativa de vida dos animais em cerca de 5% e também retardavam o aparecimento de doenças associadas ao envelhecimento. Os resultados se alinharam aos achados em humanos.

A metformina desacelera o envelhecimento das células e aumenta a produção de moléculas tóxicas de oxigênio pelas mitocôndrias, deixando as células mais fortes e duradouras. Ela pode auxiliar na prevenção ou desaceleração de três principais doenças relacionadas ao processo de envelhecimento:

− Demência: reduz o estresse oxidativo e a inflamação;

− Cardiopatias: previne doenças cardíacas e circulatórias, pois reduz duas vezes o tamanho do ventrículo esquerdo no coração, o que era um fator de risco para ataque e insuficiência cardíacos;

− Câncer: desacelera o metabolismo que faz a atividade antitumoral e muda a biologia de forma precoce para prevenir o tumor maligno.

Contraindicações e efeitos colaterais

A metformina não deve ser usada em pacientes com insuficiência renal, pois seu uso está relacionado a um alto risco de aumento do ácido láctico no sangue, que é uma complicação pouco comum, porém potencialmente fatal. Além disso, pacientes com doença hepática (fígado) grave também não devem tomar metformina. Entretanto, ela pode ser usada com segurança no tratamento de diabetes gestacional.

Os efeitos colaterais mais comuns desse medicamento são diarreia, náuseas, gosto metálico na boca, perda do apetite ou alterações no paladar.

Relação com exercícios físicos

As atividades regulares melhoram a aptidão aeróbica das pessoas e sua sensibilidade à insulina, ambos fatores ligados a períodos de vida mais longos e mais saudáveis. A combinação de metformina e exercícios pode levar a benefícios ainda maiores contra o envelhecimento.

O tratamento com metformina promove um aumento do armazenamento de glicogênio nos músculos sóleos e gastrocnêmicos em diabéticos, quando comparados apessoas sem tratamento do medicamento.

Conclusão

A Metformina tem como função aumentar a captação de glicose pelos tecidos celulares sem modificar a secreção de insulina ou induzir hipoglicemia, além de otimizar a ação da insulina já produzida, proteger as células do seu envelhecimento e prevenir doenças mais comuns em idosos, como as cardíacas. Ela evoluiu desde seu tratamento inicial de diabetes em uma droga com efeitos benéficos para tratamentos de envelhecimento e longevidade, junto a exercícios físicos, dieta equilibrada e uma rotina saudável.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O transporte e a manutenção de energia do corpo

De mineral em mineral, cada um possui seus benefícios, desde melhoria na saúde física e mental até a prevenção de doenças cardíacas, anemia e diabetes. Se necessário, podem ser feitas suplementações d

A relação entre a música e a neurologia

Seja gritando em uma balada ou batendo o pé no samba, a resposta humana à música parece quase instintiva. No entanto, há uma explicação neurológica para a reação a diferentes sons. Estruturas cerebrai