Buscar
  • Dra. Cláudia Klein

O impacto da pandemia na saúde mental

Este ano atípico demonstrou a existência de uma crise sanitária e humanitária. Dentro da realidade de cada um, todos passaram a se proteger, evitar contato desnecessário e higienizar as coisas o máximo possível.


A pandemia instaurou um medo coletivo. Diariamente assistimos aos números aumentarem, às incertezas dos cientistas e à ausência de uma solução efetiva a curto prazo.


E, diante disso, além da doença transmitida pelo coronavírus, estamos correndo o risco de uma epidemia paralela, que já dá indícios preocupantes: o aumento do sofrimento psicológico, dos sintomas psíquicos e dos transtornos mentais.


Embora o impacto da disseminação do vírus para as doenças psíquicas ainda esteja sendo mensurado, as implicações para a saúde mental em situações como a que estamos vivendo já foram relatadas na literatura científica.


É possível dividir as consequências da pandemia em quatro ondas. A primeira onda se refere à sobrecarga imediata sobre os sistemas de saúde em todos os países que tiveram que se preparar às pressas para o cuidado dos pacientes graves infectados pela Covid-19.


A segunda onda está associada à diminuição de recursos na área de saúde para o cuidado com outras condições clínicas agudas, devido ao realocamento da verba para o enfrentamento da pandemia.


A terceira onda tem relação com o impacto da interrupção nos cuidados de saúde de várias doenças crônicas.


E a quarta onda inclui o aumento de transtornos mentais e do trauma psicológico provocados diretamente pela infecção ou por seus desdobramentos secundários.



O aumento dos sintomas psíquicos e dos transtornos mentais durante a pandemia pode ocorrer por diversas causas! Dentre elas, pode-se destacar a ação direta do vírus no sistema nervoso central, as experiências traumáticas associadas à infeção ou morte de pessoas próximas na pandemia, o estresse induzido pela mudança na rotina devido às medidas de distanciamento social ou pelas consequências econômicas, na rotina de trabalho ou nas relações afetivas e, por fim, a interrupção de tratamento por dificuldades de acesso.


Pensando que esses cenários não são independentes e que uma pessoa pode ter sido exposta a várias destas situações ao mesmo tempo, o risco para desenvolver ou para agravar transtornos mentais já existentes é elevado!


Por isso, se atente a sua saúde mental, pratique atividades físicas, leia um bom livro, desligue a televisão quando não estiver te fazendo bem, e converse! Converse com quem você confia; você não está sozinho nessa! Coloque suas inseguranças, medos e tristezas para fora e, se achar melhor, marque uma consulta com um psicólogo. Isso não é sinal de fraqueza, mas sim de sabedoria.


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tratamentos injetáveis na reposição de nutrientes

Os tratamentos injetáveis são ótimos quando pensamos na reposição de nutrientes - como aminoácidos, vitaminas, antioxidantes e minerais. Eles podem ser feitos via EV (endovenosa) e IM (injeção intramu

Relação da Vitamina B12 com a fadiga

Atualmente, é cada vez mais frequente a queixa de cansaço e fadiga. Quando estamos sem energia, a primeira coisa que pensamos em fazer é checar é se há alguma deficiência de ferro. Apesar de esta ser

Impacto da Atividade Física em Idosos

A atividade física tem se destacado como uma das ações mais importantes que pessoas de todas as idades podem fazer para melhorar a saúde. Diferentes estudos observacionais apontam que a mortalidade pr