Buscar
  • Dra. Cláudia Klein

O vírus e o cérebro

É importante ressaltar que a Covid-19 tem sido cada vez mais reconhecida como uma doença sistêmica, que afeta muito além das vias respiratórias. O vírus entra no organismo ligando-se a um receptor de entrada, que é encontrado no pulmão e em outros órgãos, como o cérebro.


E, por isso, as consequências cognitivas e comportamentais podem ocorrer de duas formas: uma delas é por mecanismos biológicos, como invasão direta do vírus no órgão. Essa invasão acontece a partir da cavidade nasal e rinofaringe, através dos nervos trigêmeo e olfatório, ou passando pelo trato respiratório baixo, por meio do nervo vago.


Além disso, a chamada neuroinvasão pode ocorrer também pela corrente sanguínea. Neste caso, o vírus transportado pelo sangue pode cruzar a barreira hematoencefálica, uma estrutura responsável por proteger o sistema nervoso central, e, então, chegar ao cérebro.


A outra forma ocorre por mecanismos de ativação imunológica e pode demorar mais tempo. Muitas vezes, os efeitos comportamentais ocorrem apenas depois de alguns meses da infecção primária. Isso se deve a um mecanismo conhecido como priming, uma espécie de sensibilização do sistema imune.


Em linhas gerais, o priming é definido como um processo pelo qual uma condição antecedente ou exposição anterior potencializa a resposta do sistema imunológico a um estímulo subsequente, envolvendo uma cascata de mudanças funcionais e na morfologia celular.

É claro que a pandemia não afetou a saúde mental da população da mesma forma e nem ao mesmo tempo. Algumas pessoas podem, por exemplo, ter manifestado sintomas psiquiátricos, ou mesmo transtornos mentais, ao longo das ondas anteriores à chamada quarta onda - discutida no último artigo. Da mesma forma como aqueles indivíduos que tinham diagnóstico de transtornos psiquiátricos podem ter recebido menos cuidados no momento da terceira onda.


Podemos inferir a importância dos aspectos da saúde mental no momento pós-infecção ao olharmos para epidemias anteriores, como a de síndrome respiratória aguda grave (SARS), que ocorreu em 2003. Um estudo demonstrou que as pessoas se consultaram três vezes mais com psiquiatras do que com infectologistas, e duas vezes mais do que com seus próprios médicos de família, no ano após a infecção.

Esta epidemia oculta de transtornos mentais tem um potencial extremamente preocupante para a sociedade, tanto do ponto de vista da saúde individual quanto para a saúde coletiva. A quarta onda pode diminuir o bem-estar psicológico, afetando áreas extremamente importantes da vida, como o sono e a sexualidade.


Poderá haver um aumento na incidência de novos casos de transtornos mentais na população geral, mesmo em quem antes nunca havia manifestado qualquer sintoma psiquiátrico. A razão para esse fenômeno perpassa pela compreensão moderna da origem dos transtornos mentais, que indica que o seu surgimento depende de mecanismos complexos.


As alterações no funcionamento dos circuitos cerebrais são afetadas pela interação da exposição a estressores ambientais, e também dependem de uma suscetibilidade biológica do próprio indivíduo, que, muitas vezes, é determinada pela genética. Além disso, por um fenômeno chamado de epigenética, os fatores ambientais podem ainda alterar a expressão dos genes.


Então, a exposição de grande parcela da população a condições ambientais extremamente desfavoráveis, como é o caso nesta pandemia, pode desencadear transtornos mentais, mesmo em indivíduos com genética menos suscetível!


Isso explica o potencial epidêmico para alterações de saúde mental pós-pandemia. Esse aprendizado foi acumulado em estudos que acompanharam a saúde mental das comunidades após pandemias anteriores e desastres internacionais de grandes proporções. Entretanto, é preciso ressaltar que a Covid-19 nos coloca frente a estressores de magnitude nunca enfrentados em escala global.

O distanciamento social alterou os padrões de comportamento da sociedade, com o fechamento de escolas, a mudança dos métodos e da logística de trabalho e de diversão, minando o contato próximo com as pessoas, algo tão importante para a saúde mental.


O convívio prolongado dentro de casa também aumentou o risco de desajustes da dinâmica familiar. Somam-se a isso às reduções econômicas e ao desemprego, que pioram ainda mais a tensão sobre as famílias. Por último, as mortes de entes queridos em um curto espaço de tempo, juntamente à dificuldade para realizar os rituais de despedida, podem dificultar a experiência de luto, impedindo a adequada ressignificação das perdas e aumentando o estresse.


No entanto, o número de levantamentos que leva em consideração os transtornos mentais em decorrência de infecções por coronavírus ainda é baixo. É nítido o aumento de depressão, ansiedade e estresse pós-traumático na população - mesmo excluindo-se os sintomas psiquiátricos diretamente decorrentes da infecção pelo vírus, do tratamento instituído (por exemplo, corticoides em altas doses podem induzir quadros de transtorno de humor), ou do desconforto (como a incerteza e a solidão do paciente em quartos hospitalares ou UTIs com isolamento).


Vale, portanto, um alerta aqui: há uma baixa qualidade nesses estudos iniciais! Os desenhos das pesquisas atuais indicam apenas correlação, e a seleção amostral impede adequada avaliação das potencias variáveis, o que pode confundir os resultados. Mas, com certeza, estes são impactos que serão estudados profundamente ao longo dos próximos anos.


Apesar de ainda não possuirmos muitos dados científicos, a minha sugestão é: cuide da sua saúde mental! Procure se alimentar de forma saudável, faça algum exercício (nem que seja polichinelos no seu quarto), mantenha contato com pessoas queridas diariamente e converse. Ponha para fora seus sentimentos, angustias e medos. Peça ajuda. Você não precisa enfrentar essa pandemia sozinho!


28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tratamentos injetáveis na reposição de nutrientes

Os tratamentos injetáveis são ótimos quando pensamos na reposição de nutrientes - como aminoácidos, vitaminas, antioxidantes e minerais. Eles podem ser feitos via EV (endovenosa) e IM (injeção intramu

Relação da Vitamina B12 com a fadiga

Atualmente, é cada vez mais frequente a queixa de cansaço e fadiga. Quando estamos sem energia, a primeira coisa que pensamos em fazer é checar é se há alguma deficiência de ferro. Apesar de esta ser

Impacto da Atividade Física em Idosos

A atividade física tem se destacado como uma das ações mais importantes que pessoas de todas as idades podem fazer para melhorar a saúde. Diferentes estudos observacionais apontam que a mortalidade pr